comunista desejosa de glamour hollywoodiano. anarquista com apego material a coisas emocionais. plagiadora que exige direitos autorais



terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Carnaval estranho e hysterico. Conclusões tristes.

Pruma o corpo e fica leve. Engole o choro. Quer dizer, engole não! Chora e manda si fudê quem te manda engolir o choro! Quer dizer, num precisa mandar ninguém si fudê também não. Ninguém tem nada a ver com isso não.
Mas sabe como é né? Levanta a cabeça, sacode a poeira (ou seria levanta a poeira e sacode a cabeça? não né.. por mais atrativo que seja...) e dá a volta por cima.
Clichê por clichê o que Tyler Durden diria?
" It´s only after we´re lost everything that we´re free to do anything"
(não tô endeuzando um personagem fictício, não se preocupem. é só uma referencia próxima, devido ao fundo do poço, aquele que nem alcancei...)

E eu nem cheguei no fundo do poço ainda...
(tá vendo?)

Ai tô triste tô muito triste.

3 comentários:

Fuckdelis disse...

ai amore,
pq escrevemos, na maioria das vezes, nos momentos de tristesa?
Tenho medo de ataua tb nestes momentos, fico achando que é esta tristesa (angústia-ansiedade-inquietação) que nos pulsiona para a Arte, o único alívio é se expressar sem medo.
bjs

Fuckdelis disse...

*atuar

Glauce disse...

Faz parte...
O bom é tirar proveito da tristeza!